Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

caixa dos segredos

Bocados de mim embrulhados em palavras encharcadas de emoções. Um demónio à solta, num turbilhão de sensações. Uma menina traída pelas boas intenções.

18
Nov16

Je suis DN


vanita

Podia ter muito a dizer, como tanto que tenho lido, sobre a saída do Diário de Notícias do edifico construído de raiz para o albergar. Não tenho, nunca trabalhei no Diário de Notícias, apesar de ter sido o meu sonho de infância. Trabalhei sim, muitos anos, no edifício do Diário de Notícias. E é como uma casa para mim. Passem os anos que passarem, aquela esquina junto ao Marquês de Pombal tem o tamanho da minha casa, do meu lar. É dali que sou, como diz a minha amiga Lina. E o que me tem emocionado perceber que sou de uma casa cheia de gente, cheia de histórias, que não é mais ou menos de quem quer que seja, é de todos. Nos últimos dias, têm sido inúmeros os relatos emotivos intrinsecamente ligados àquelas paredes. Histórias de vida, com choro, lágrimas e angústia, que é cola que dá força aos momentos de alegria, diversão e boa-disposição que ali se viveram. E isto é apenas a ponta do iceberg. Muitas outras gerações por ali passaram, por ali viveram e se apaixonaram. Pelas letras, pelas notícias e as suas histórias, pelos colegas, pelo amor a uma profissão que está tão necessitada de carinho. Mas não, não tenho autoridade para escrever sobre o Diário de Notícias, porque não é o meu jornal. Não enquanto jornalista. Posso apenas falar como cidadã. E como cidadã não concebo a falta de empatia com esta mudança. Inevitável, bem sei. As leis do mercado estão aí para justificar todas decisões. Mas porque é que a população não se indigna? Por que é que se lêem apenas relatos de quem lá vive ou viveu momentos únicos? Estamos a falar de património cultural, estamos a falar da identidade nacional. Mesmo que nada mude, porque é que não nos manifestamos? Porque não mostramos a raiva que sentimos por um edifício com tanta história se desfazer em valor para saldar dívidas comerciais? Somos assim são indiferentes ao mundo que nos rodeia? 

5 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D