Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

caixa dos segredos

Bocados de mim embrulhados em palavras encharcadas de emoções. Um demónio à solta, num turbilhão de sensações. Uma menina traída pelas boas intenções.

22
Abr20

A minha quarentena


vanita

Finalmente ganhei coragem e fiz as contas: estou há 48 dias em casa, com um intervalo de cinco dias pelo meio. Estou a dar em maluca.

Eu sou uma pessoa caseira: adoro o sossego de estar em casa e não ter de sair. Não me é, por isso, difícil aceitar o desafio que o novo coronavirus nos está a impor. E, na primeira semana de isolamento social, quando praticamente ninguém estava ainda nessa condição, apesar de ser uma obrigação estranha - até porque tivemos de cancelar uma festa de aniversário e, naquela altura, ainda parecia uma medida excessiva -, nessa primeira semana, tudo parecia novo e até reconfortante. O corpo de qualquer trabalhador pede esse descanso. Ficar a trabalhar a partir de casa, não perder tempo com as deslocações, descobrir as maravilhas do teletrabalho (também as há, ou havia...). Ainda tudo era novo e não se pensava sequer que se tinha de ter tantos cuidados nos pedidos de entrega ao domicílio. Sabíamos lá, éramos uns meninos.

Depois disso, regressei à rotina e, apesar do clima de medo e dos cuidados acrescidos - estava convencida que, no minuto em que pusesse o pé novamente fora de casa é que iria realmente ficar infectada - ainda nada era como agora. Ainda se conseguia brincar com a quarentena. Um dia antes de voltar ao trabalho descobri inúmeras paródias musicais que se faziam lá fora - o coronavirus ainda era um fenómeno estrangeiro - e encantei-me por uma dessas cantigas parvas. Ultimamente surge em loop na minha cabeça quando menos espero.

Mas o medo já tinha feito ninho no meu coração. Durante essa semana não abri uma única porta de comboio sem proteger as mãos com um lenço de papel e apliquei o mesmo nível de cuidado e atenção ao momento em que passava a tira magnética do passe nos canais de entrada e saída das estações. Fiz viagens inteiras em pé sem me segurar a nenhum corrimão, apenas sustenta com a força dos pés e do equilíbrio quando havia uma guinada mais afoita por parte dos motoristas. Ao fim de três dias, no que foi um grito de Ipiranga, passei a levar o carro para o trabalho. É uma decisão e tanto porque, com a hora de ponta, é impossível chegar a tempo de picar o ponto. Surpresa, não só cheguei a horas como fiz as viagens em tempo record. Quando tomei esta decisão as horas de ponta já tinha desaparecido. Aconteceu tudo nessa semana.

Nessa sexta-feira despedi-me dos meus colegas com um “até ao verão”. Era demasiado tempo mas o medo já se tinha instalado em mim e comecei, ainda que inconscientemente, a perceber que isto não se iria resolver num simples estalar de dedos. Durante esses cinco dias despachei todo o trabalho que não consigo fazer em teletrabalho. E isso fi-lo de forma consciente. A experiência da semana de isolamento que já trazia fez-me ser prudente nesse sentido e quis salvaguardar qualquer eventualidade. Nessa noite regressei a casa e, desde então, não tornei a sair. Passam 48 dias e, por mais que me sinta a pessoa caseira que falei lá em cima, já não aguento a minha casa, o confinamento e, sobretudo - essa grande diferença em relação à primeira semana de isolamento -, a sensação de estranheza de que o mundo lá fora não é igual e não o voltaremos a ver tal como era. É angustiante e até sufocante quando penso nisso. Felizmente, não o faço com intensidade todos os dias, obrigo-me a isso.

Na verdade, cá dentro, temos vivido uma quarentena tranquila e apaziguadora. O pior é tudo o resto: as notícias, o futuro, as ameaças de layoff, as preocupações com a família e amigos. Vivemos no fio da navalha, combatemos um inimigo invisível e não fazemos ideia de quando nem como isto irá terminar. Sabemos apenas que o retorno será difícil, demorado e caótico e também temos consciência de que os nossos comportamentos e hábitos sociais vão transformar-se de forma radical. Será que alguma vez voltarão a ser como eram? E é nesse momento que o mundo nos parece mais pequenino e claustrofóbico: queremos de volta o contacto humano descomplexado e sem desconfiança, as risadas e os abraços, as festas de família e os mergulhos na praia. Queremos sorrir sem máscaras e não sabemos quando é que o poderemos fazer novamente. 48 dias + 5 de intervalo é apenas a conta inicial desta quarentena. Vamos fazê-la como uma maratona. A meta pode ser a vacina ou a imunidade, o que chegar primeiro. Mas vamos chegar lá.

2 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D