Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

caixa dos segredos

Bocados de mim embrulhados em palavras encharcadas de emoções. Um demónio à solta, num turbilhão de sensações. Uma menina traída pelas boas intenções.

19
Set17

A minha contribuição para a igualdade de género


vanita

Utilizada a 25 Nov 2010.png

Tenho andado a rever a série "New Girl" e, um dia destes, assisti a um episódio em que um escandalizado Nick ensina o pobre Schmidt a lavar a roupa na máquina. Fá-lo de forma exemplar, como se fosse a coisa mais banal do dia-a-dia, perante a angustiada vergonha do amigo, por ter de assumir que não o sabe fazer. Este é um daqueles casos em que se educa pela ficção. Nenhum destes comportamentos é (ainda) norma. Os homens não se envergonham de não saber usar os aparelhos domésticos e nem aprendem a fazê-lo desde crianças. Felizmente, tendemos para isso, embora vá demorar mais do que devia até que seja realmente como está retratado neste episódio. Sabemos disso quando ouvimos comentários menos simpáticos para homens que fazem das tarefas domésticas parte da sua rotina. A sociedade ainda assume que os homens precisam de ajuda para gerir uma casa. É mais implacável com as mulheres, mas a verdade é que também se está a perder terreno nessa facção. As mães adoram mimar os filhos e, neste caso, mal. Há progenitoras que continuam a insistir em passar a ferro a roupa dos meninos - e das meninas - quando eles já saíram de casa, casaram e foram pais de filhos. Há quem insista em fazer a limpeza semanal na casa de filhos crescidos e criados. Há adultos feitos que nunca lavaram uma sanita.

 

Ora bem, esta pequena introdução conduz à minha proposta para a igualdade de género. É muito simples: que se ensinem tarefas domésticas nos primeiros anos escolares. São aulas que podem ser práticas e contribuem para o bem-estar de todos. Ser adulto também é saber limpar o pó, aspirar, lavar a roupa e fazer uma sopa. Escolher vegetais no supermercado, aprender a ler rótulos dos alimentos, saber optar pelo detergente correcto para limpar as loiças da casa de banho, passar a ferro e engraxar os sapatos. Distinguir a roupa a colocar no tambor da máquina, escolher a temperatura correcta e aprender a diferença entre um estufado de um assado. Ligar o forno, fazer um bolo, aprender a coser à mão, fazer bainhas e pôr um botão. Qualquer uma destas actividades é essencial e indispensável no dia-a-dia de um adulto. E, apesar de, nos anos mais recentes, a sociedade de consumo nos ter habituado a satisfazer as necessidades num acto de compra, o saber fazer nunca ocupou lugar. Pelo contrário, com conhecimento de causa, temos argumentos para saber escolher e avaliar o valor (monetário ou não) de cada tarefa. E é de pequenino que se torce o pepino. Com naturalidade e muita brincadeira à mistura. Porque não há razão para vivermos em mundos de fantasia, onde as necessidades básicas não fazem parte da prioridade de ensino.

 

Por isso, a minha proposta é que se eduquem a crianças a saberem ser adultas independentes e subsistentes.

 

 

2 comentários

  • Imagem de perfil

    Marta Elle 20.09.2017

    Antigamente os homens trabalhavam e as mulheres estavam em casa, era justo serem elas a fazer o trabalho doméstico, mas as coisas mudaram. Hoje em dia, as mulheres também trabalham, por isso não acho nada justo ainda terem de fazer tudo sozinhas em casa.
    Curiosamente, os casos que conheço de rapazes que foram habituados a não fazer nada em casa, hoje são uns desgraçados que ainda vivem com os papás, uns porque nunca chegaram a sair de lá e outros porque foram recambiados por mulheres que não estiveram para fazer o papel de mães deles.
    Eu se fosse homem tinha vergonha de atirar com o trabalho todo da casa para cima da companheira, mas eu tenho orgulho e dignidade, tal como seria incapaz de viver às custas de um homem.
  • Comentar:

    CorretorEmoji

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

    Mais sobre mim

    foto do autor

    Subscrever por e-mail

    A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

    Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2015
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2014
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2013
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2012
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2011
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2010
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2009
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2008
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2007
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D