Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

caixa dos segredos

Bocados de mim embrulhados em palavras encharcadas de emoções. Um demónio à solta, num turbilhão de sensações. Uma menina traída pelas boas intenções.

23
Out18

Eu não sei tudo


vanita

Hoje estava a apresentar uma ideia num grupo de trabalho e sai-me com uma expressão que me é tão natural como autêntica e genuína: “depois acrescentamos uns pormenores importantes sobre este assunto que todos vocês sabem bem melhor do que eu”. Entredentes mas bem perceptível ouvi alguém corrigir-me - sim, eu ouvi: “Ninguém sabe mais do que tu sobre isto!”. Entendo a intenção e aceito a correção. Segue a mesma linha de uma outra que me foi feita há uns tempos quando, numa das milhares de vezes em que me auto-censuro, voz amiga me chamou à atenção: “não te desprezes, tu não és isso que dizes de ti mesma”. Pois não, sei eu! Mas, ao que parece, a minha certeza não é evidente se não me vestir com a arrogância e convicção que dita a postura característica de tantos medríocres que por aí pululam. Desculpem o tom, mas custa-me sempre aceitar a forma como hoje em dia o talento e profissionalismo são muitas vezes ocultados pelo fogo-de-artíficio de quem se enche de certezas e verdades absolutas para criar falsas imagens de sucesso. Eu não acredito nisso. Cheguei a esta idade a acreditar no Pai Natal mas, para mim, o debate de ideias, a mente aberta às dúvidas, a capacidade de adaptação a novas formas de abordagem dos temas, a ausência de padrões rígidos de comportamento ou formatos de procedimento e a certeza de que todos os outros terão sempre algo de útil e muito válido a acrescentar são a minha postura perante a vida. Assim sendo, não me sinto colocada em causa quando me questiono, sinto-me em pé de igualdade. Não me diminuo, mostro-me sempre disponível para aprender e saber mais. E, lamento, do meu ponto de vista, esta é a forma mais sábia de se estar perante a vida. Porque eu não tenho a convição de saber tudo, mas também não tenho medo de perguntar. Seja a quem for.

16
Out18

Desgosta-me


vanita

O mundo está a virar e já não o conseguimos parar. Tenho dúvidas se alguma vez o teremos feito. Os crimes de colarinho desacreditam as instituições, os políticos e tudo o que serve de base à sociedade que temos vindo a construir. A insatisfação gera movimentos de raiva e ódio que pouco devem à moderação. Entramos no comboio da indignação e já só a luta exacerbada preenche o vazio causado pela frustração. Queremos mudar e, sem nos apercebemos, estamos a cometer erros do passado. Alguma vez aprenderemos? 

13
Out18

Entrei no outono da vida 🍂


vanita

Enquanto o sol me toca suave nos braços, uma tímida aragem fresca lembra-me que os dias de verão estão de fugida. Um dia depois de fazer 40, aceitei que estamos no outono. E eu entrei no outono da vida, essa estação que pode ser tão tranquila e amena quanto o desconforto provocado pela chuva e o vento nos permitem. Desde muito nova que gosto de fazer este jogo mental: divido os vários estádios da vida em blocos de 20 anos. A primavera, o tempo das descobertas e do florescimento, que embarca a infância e se prolonga até à entrada na vida adulta; o verão - todos nós temos saudades do verão! - esse tempo louco e irreverente, pleno de vida, alegria e boa-disposição, pelo qual ansiamos todo o ano e que, nesta minha construção pessoal, se preenche com os desvarios dos 20 aos 40 anos; o outono, essa agradável aragem fresca que nos aclama a fúria do verão e nos aconchega em roupas mais confortáveis e rituais tranquilos, propensa ao descanso e até alguma meditação; e finalmente o inverno, esse período que começa aos 60, sem destino predefinido, que dependendo das condições climatéricas, pode ser uma viagem de longo curso mais ou menos intensa. Faz-me sentido esta associação da vida humana com as estações do ano e ajuda-me a equilibrar e aceitar as várias fases desta aventura de estar viva. Cada estação é um desafio a que nos temos de adaptar para, dele, tirar o melhor proveito. Todas têm adversidades - dores de crescimento e maturidade - mas é possível encontrar um sentido orgânico e até espiritual que nos traz tranquilidade. Fazer 40 anos não me assusta mas enche-me de espanto. A vida pôs-me à prova demasiado cedo - na plena loucura do verão - e, sem que me desse conta, não me apercebi da aproximação do outono no horizonte. É mesmo com espanto que sinto a aragem fresca tocar-me no braço. E estou a gostar. 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D