Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

caixa dos segredos

Bocados de mim embrulhados em palavras encharcadas de emoções. Um demónio à solta, num turbilhão de sensações. Uma menina traída pelas boas intenções.

11
Mar15

Espelho meu, espelho meu!


vanita

narciso.jpg

 Narciso pintado por Caravaggio 

 

Somos todos a Rainha Má. Anos depois de adormecermos com a história da Branca de Neve, esquecemos as lições de infância e usamos as redes sociais como espelho mal saltamos da cama. Publicamos fotos de nós mesmos, a sorrir para o vazio, na ânsia de respostas virtuais que preencham uma qualquer lacuna da nossa personalidade. De onde surge esta constante procura de aprovação e elogio que as redes sociais ampliaram quase até ao limite do absurdo?

Narciso, o rapaz que se apaixonou pelo próprio reflexo num lago, e assim se perdeu para todo o sempre, não passaria de um aprendiz de feiticeiro nos dias de hoje. Quer dizer, estamos no tempo do selfie-stick! O que nos importa o mundo que nos rodeia, para lá de servir como cenário para nos adorarmos ainda mais? Narcisismo é quase eufemismo para a realidade do século XXI, onde a glorificação do Eu é o ditame máximo de cada um de nós. Acreditamos que somos melhores, especiais, que estamos no mundo para nos distinguimos de todos os outros. Individualmente, bebemos da fé em nós mesmos, como seres únicos, que maravilham o universo. 

 

A auto-estima - muita ou pouca, eis a questão! - começa a ser trabalhada desde a infância. Criámos o conceito das crianças índigo e, desde então, somos escravos desta realização pessoal que nos atesta valor perante o mundo. Como pais não somos melhores. O nível de exigência e pressão a que estas novas gerações estão sujeitas desde que saem da maternidade é incrivelmente repugnante. Na ânsia de ver as nossas frustrações vingar na realização dos nossos filhos, queremos que saibam chinês antes de saberem dizer papá e mamã, que toquem piano enquanto gatinham, que sejam atletas olímpicos entre sestas e que, pelo meio, sejam felizes e sociáveis. E queremos dizê-lo ao mundo. Como? Com uma selfie, claro!

Espelho meu, espelho meu! Há alguém mais vaidoso do que eu?

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D