Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

caixa dos segredos

Bocados de mim embrulhados em palavras encharcadas de emoções. Um demónio à solta, num turbilhão de sensações. Uma menina traída pelas boas intenções.

27
Fev08

Livre!


vanita

Hoje vou contar uma história que nunca contei aqui. E vou fazê-lo porque hoje se fechou esse ciclo. Esta manhã fui dispensada pelo meu médico! Sim, levantei-me, fui à consulta, fartei-me de rir com esse senhor por quem sinto tanto carinho e apreço e sai de lá com ordem para não voltar. Ok, não foi bem assim. Vamos começar do início. A 5 de Abril de 2006 fui operada àquilo que os médicos pensavam ser uma apendicite. No final da operação disseram-me que afinal se tinham enganado, que estava tudo bem com o meu apêndice. A 16 de Maio - nunca esquecerei este dia, dois dias antes de o meu pai fazer anos - o médico disse-me, tão espantado quanto eu, que afinal o meu apêndice tinha um problema grave. Para quem não percebe estes procedimentos, deixem-me esclarecer: depois de uma operação os tecidos são analisados num laboratório. O meu apêndice tinha afinal um tumor neuroendócrino do tipo carcinóide. Mais uma vez, para quem não sabe, a palavrinha carcinóide confere ao tumor tudo aquilo que não queremos. É maligno! Enfim, sem me querer alongar muito, este tipo de tumor não reage a tratamentos com quimioterapia nem radioterapia e, por norma, apenas suscita sintomas quando já está metastizado, normalmente a partir do fígado. Aprendi isto com os ensinamentos do meu médico - um Santo com paciência infinita - e as minhas deambulações pela Internet. Essa é, aliás, a razão que me leva a expor o meu caso no blog. Como é um problema relativamente raro, há pouca informação disponível sobre o assunto e mesmo os médicos não têm protocolos de procedimento com esta doença como acontece, por exemplo, com o cancro da mama ou da próstata, que já estão catalogados em níveis de estadiamento e tratamentos a adoptar.

Enfim, a partir daqui eu e o meu médico começámos uma verdadeira odisseia que agora vos conto. A 22 de Maio fiz uma TAC, a primeira da minha vida. Fui sozinha para o hospital - tenho esta mania - mas estava tão nervosa que não conseguia parar de chorar. Puseram-me ao cuidado de uma estagiária de Psicologia que a primeira frase que me disse foi: "Uma amiga minha morreu no ano passado com essa doença!". Felizmente estava tudo bem, de acordo com o que os médicos observaram na TAC. Sai do hospital a chorar e entrei na primeira Igreja que encontrei. Não me lembro há quantos anos não entrava numa. Este exame e outros permitiram que o médico me dissesse que, "em termos brutos", está tudo bem. Jovem, quase da minha idade, o meu médico, o meu maravilhoso médico, entendeu que me devia submeter a uma cintigrafia, um exame que precisou de autorização específica do hospital, é feito apenas no Hospital de Almada e requer um medicamento que é importado dos Estados Unidos para aquele momento específico. Analisa ao milímetro, com mais precisão que uma TAC, a possibilidade de ter um carcinóide daquele tipo em qualquer outra zona do corpo. Ainda sinto o nó na barriga quando me lembro desse dia, o exame estende-se por várias horas e foi repetido na madrugada seguinte. Ainda me lembro da minha mãe sentada ao meu lado enquanto eu estava a ser examinada. Estava tudo bem! Alívio!

Por uns tempos, a coisa terminou. Mas voltei, meses depois, a repetir a TAC e outros exames complementares. Continuava tudo bem. Agora, este mês, fiz uma colonoscopia, para não passar o resto da vida a injectar líquidos no meu corpo por causa das TAC's. Voltou a estar tudo bem. A literatura médica diz que, em casos como o meu, em que o tumor é menor que um centímetro, o tratamento é feito apenas com a ressecção do mesmo. Hoje o meu médico entendeu que é tempo de largar isto, de seguir a minha vida. Não posso estar continuamente na busca de algo. É um facto que pode acontecer, mas também é um facto que se passaram dois anos e tudo está bem. Como ele diz, não podes deixar de andar de carro apenas porque tiveste um acidente. Como é óbvio ele entende a minha ansiedade e sabe que ela me vai voltar a rondar, mais tarde ou mais cedo. Mas tenho de pensar que é como as plantas. Às vezes são podadas quando um dos ramos ou folhagem está menos bonito. E não volta a nascer necessariamente igual. Na maior parte das vezes, nasce mais bonito e viçoso. Mais saudável.

Volto a esclarecer. Não conto esta história para comover ninguém, nem para que se compadeçam de mim. Nada disso! Conto porque está tudo bem, porque é uma página virada na minha vida mas, sobretudo, porque espero com este testemunho ajudar quem possa neste momento estar a passar pelo mesmo. Às vezes, conhecer quem passa pelo mesmo apazigua. E agora é seguir em frente. Com um sorriso do tamanho do Mundo!
26
Fev08

1 ano


vanita

Foi há um ano que abri a Caixa dos Segredos pela primeira vez! Era véspera de exame médico, estava um verdadeiro caco humano e achei que um blog só meu me podia fazer bem. Só nesse primeiro dia escrevi 6 posts, 14 até ao final do mês. Um record absoluto de quem tentava calar o que lhe ia na alma, enquanto se distraia com banalidades. Hoje, 333 posts depois e mais de 10 mil visitas - muitas são minhas, admito - a motivação que me faz continuar ligada a este espaço já nada tem a ver com a que lhe deu origem. A Caixa de Pandora - era este o nome que lhe queria ter dado - foi aberta e já faz parte da minha forma de estar, faz parte de mim. E vocês, os que me visitam, os que comentam e os que passam sem deixar rasto também fazem deste um espaço especial. Mais uma vez, obrigada. [Acho que esta é a semana dos agradecimentos. Prometo deixar-me disto!]
24
Fev08

10'000


vanita


Sirvam-se! Este blog atingiu hoje as 10 mil visitas e isso, só por si, é motivo mais do que suficiente para comemorar. Foi perto das oito da noite, por um visitante da zona de Lisboa que nem um segundo aqui esteve. Mas fez a diferença! A todos os que aqui passam de vez em quando, o meu obrigado [será obrigada?]. Não me estico mais em agradecimentos porque hoje é noite de Óscares e não quero roubar o brilho a ninguém!

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2015
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2014
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2013
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2012
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2011
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2010
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2009
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2008
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2007
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub