Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

caixa dos segredos

15
Jun17

Em nome do pai


vanita

Os filhos de Cristiano Ronaldo são apenas isso: filhos de Cristiano Ronaldo. O "maior português vivo", o homem que leva mais longe o nome de Portugal, pode ter tudo - ou quase tudo - o que quiser. E, talvez por isso mesmo, escolheu ter filhos como produção única. Seria de louvar, não fosse tão absurdo e reflexo de insegurança e falta de confiança no mundo e em quem o rodeia. Começa por ser uma falta de respeito para com as namoradas. Das duas vezes em que "foi pai", Cristiano Ronaldo ignorou o facto de estar envolvido com outras pessoas, em relações que pressupõem planos para o futuro e, em última análise, vidas familiares que se cruzam. Cristiano Ronaldo pode namorar, mas para ter filhos, prefere mandar tratar lá fora, que assim é que tem controlo absoluto sobre questões de futuro, pensões de alimentos ou pressões que não lhe interessam. É triste. É uma falta de consideração com os filhos. Para um homem tão agarrado à família, que tanto lamenta a morte prematura do pai, não se percebe que dispense o papel de mãe na vida dos filhos. Dona Dolores, aparentemente aprova, e isso também me foge ao entendimento. A relação mãe-filhos é única e inimitável, o laço mais estreito que teremos em toda a nossa vida. Cristiano Ronaldo, menino querido da mamã, age como se se bastasse aos seus próprios filhos. Como se o dinheiro pagasse a ausência de uma mãe. Mais uma vez, é triste. É uma falta de respeito com as mães das crianças. Mas quanto a isso, pouco podemos dizer, apesar dessa intuição, uma vez que os termos dos "negócios", nunca foram claros. A maternidade pode ser mais triste do que isto? É uma falta de respeito para com a sociedade e os filhos enquanto indivíduos. Por alguma razão se acabou com a designação "filho de pai incógnito". Por ser demasiado triste. Cada um é livre de fazer as suas próprias escolhas e o mesmo se passa com Cristiano Ronaldo. Privar filhos que podem ter tudo de ter uma mãe parece-me apenas a mais lamentável das escolhas. Triste.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D