Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]


26.02.17

A caixa dos segredos tem dez anos

por vanita

Era noite de Óscares quando, às 1h39 na madrugada de 26 de Fevereiro de 2007, abri finalmente o meu blog pessoal. Já tinha tido outros, mas naquela noite ganhei coragem de me lançar a solo, como devia ter feito logo desde o início. Demorei algum tempo a encontrar o meu próprio tom, que vai sendo ajustado a cada momento. Não sou a mesma pessoa, quem é, afinal? Tinha 28 anos, vivia num pequeno quarto no centro de Lisboa, não muito longe do local de trabalho, estava realizada profissionalmente e um pequeno caco em termos emocionais. Estava no rescaldo do mais exigente e decisivo desafio da minha vida, o que mudou toda a perspectiva que alimentava os meus vinte anos. Passaram dez anos e naquela altura nunca pensei que isso fosse possível. Escrevi sobre os vestidos dos Óscares nessa noite. Era um tema que gostava de ler mas rapidamente percebi que não era o meu estilo. Comentei notícias, dei azo à minha veia literária, cai na patetice de fazer desabafos pessoais e profissionais sobre o que corria menos bem na minha vida. Em dez anos tudo mudou. Convencida pela Lina, troquei o Blogspot pelo Sapo, a Google obrigou-me a abandonar o Google Reader e optei pelo Feedly, fiz amizades que duram toda esta eternidade e que não teria conhecido de outra forma: a Bad Girl, a Inês dos livros e a Carolina (e a Andreia) moram no meu coração. Mudei de cidade, mudei de carreira, casei-me e dei guarida a uma pequena cadela, que ainda me mói o juízo. Aprendi que a mudança nos faz mais bem do que mal. Que é desejável, muito melhor que a estagnação dos dias parados. Perdi o medo e aprendi a abraçar o que a vida me traz. Passaram dez anos e estou à beira dos quarenta. Isto até custa a escrever, mas não sou das que negam a idade. Quero viver a verdade, não sou pela negação. Hoje em dia gosto de fazer yoga, embora raramente tenha tempo, gosto de estar em casa, gosto de aprender a fazer crochet, a tricotar e a usar a máquina de costura. Não suporto os clichés feministas que condenam essas actividades. Gosto de ler, de ver séries e de experimentar novas receitas. Gosto de apreciar a vida sem a pressa de partilhar tudo online, gosto de estar informada e ter opiniões fundamentadas. Gosto de amizades sem cobrança e não faço projectos para o futuro. Tenho muitos sonhos e planos infinitos, mas vivo o dia-a-dia sem drama nem pressão. Não sei o que reservam os próximos dez anos mas posso adivinhar que vêm aí mudanças. A vida nunca se mantém igual de década para década. Só posso desejar que sejam boas mudanças e, não sendo, que tenha força e coragem para as saber encarar com serenidade. Que ainda cá estejamos todos em 2027 para ler mais um post originalíssimo igual a este.

publicado às 18:45

Mais sobre mim

imagem de perfil

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.