Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

caixa dos segredos

29
Jan17

E assim começa uma guerra


vanita

Por causa de um palhaço e uma caneta. Cidadãos detentores de green cards - que lhes dão o direito de viver e trabalhar nos Estados Unidos - estão a ser impedidos de entrar no país e mandados embora. As autoridades até já começam a confirmar posições políticas dos originários dos sete países banidos nas suas páginas de Facebook. O Iraque anunciou que vai explusar todos os norte-americanos dentro de 72 horas. Por causa de um palhaço e uma caneta.

25
Jan17

George Orwell nos tops de venda


vanita

A tomada de posse de Donald Trump já tem um efeito colateral: as vendas do livro 1984, de George Orwell, dispararam. «Os tempos são complicados e o aviso que George Orwell emite - trata-se disso mesmo, de um aviso - é de tal forma assustador que sufoca. Seremos nós, seres humanos, capazes de deixar que isto aconteça? Não se terá esse processo já iniciado? Estaremos a tempo de o abortar? Qual o valor da nossa força?», escrevi eu em 2013, quando o li pela primeira vez. Se ainda não se dedicaram à história que está por trás da frase "Big Brother is watching you", não esperem nem mais um bocadinho. É de leitura obrigatória. 

25
Jan17

Estar do lado certo da história


vanita

O mal só triunfa porque os bons se calam. Para que as sociedades funcionem em pleno, há regras, normas e papéis sociais que devem ser respeitados, sob pena de se (sobre)viver numa anarquia sem rumo. Ainda assim, momentos há em que um individuo, pleno de consciência do mundo que o rodeia de o seu papel na estrutura social, tem de ter a clareza de espírito por optar por fazer diferente. É nesse brilhantismo que, não raras vezes, residem muitas das viragens que o mundo tem. O que seria da luta contra a segregação racial se Rosa Parks não se tivesse recusado a ceder o seu lugar no autocarro? O mesmo se pode dizer do inesquecível discurso de Martin Luther King, da bondade da madre Teresa de Calcutá ou da coragem de Malala Yousafzai e de Simone de Beauvoir. Cada uma destas pessoas, individualmente, acreditou que a sua atitude podia ser a diferença. E seguiu o seu instinto, contra tudo e contra todos. Conseguiram deixar a sua marca. Muitas haverá de que a história não fala, é sempre assim. Mas o importante não é o reconhecimento. Nelson Mandela, Oskar Schindler ou Aristides Sousa Mendes não procuravam a fama ou reconhecimento quando decidiram ir contra a lei. Trata-se sempre de uma luta maior, um gesto bem mais abrangente, mais generoso e caridoso. Trata-se de humanitarismo. Momentos há na vida em que é preciso saber estar do lado certo da história. É imprescindível saber reconhecê-los.   

24
Jan17

Cuidado com as portas que se fecham sem se dar por ela


vanita

Quantas e quantas vezes não se terão eclipsado novas e excitantes oportunidades pelo simples facto de falarmos tanto que não sabemos ouvir? Quantas e quantas vezes não se terão calado novos e excitantes desafios perante a verborreia impensada de quem não percebeu que, aquela conversa, trazia uma proposta agregada. Cuidado com as portas que se fecham inadvertidamente. Quantas e quantas possibilidades não esconde o silêncio?  

23
Jan17

Meninos e meninas, senhores e senhoras!


vanita

O grande palhaço laranja sentou a cabeleira amarela no cadeirão da Casa Branca. De caneta em riste, na Sala Oval, começou logo a rabiscar assinaturas. Apagou sites em Espanhol, determinou o fim de políticas de protecção social e assegurou a mudança de estratégia em relação à poluição do meio ambiente. Sempre com um sorriso na grande cara laranja, o palhaço de cabelo amarelo, contestou os contestários e disse que os jornalistas eram maus. Apresentou factos alternativos para garantir que os reais são errados. De cada vez que rabisca um papel, assassina e viola umas quantas leis constitucionais. Quer lá saber. O grande palhaço passa a mão pelo cabelo, escreve mais um Tweet e pergunta: onde estavam durante as eleições? E segue determinado o seu número de circo. Senhoras e senhores, meninos e meninas: aplausos!

21
Jan17

Afinal, não somos todos heróis


vanita

Nasci quatro anos depois do 25 de Abril e andava na escola primária quando Mário Soares assinou os papéis de adesão à CEE. Fui percebendo, conforme fui crescendo, que a minha infância surgiu nos tempos de acalmia após a tempestade. Não havia PREC, nem ditadores, nem lápis azuis, nem fascismo, nem censura. Demorei a entender a quem se referiam quando falavam no Tempo da Outra Senhora. Por muito que os adultos não acreditassem, o 25 de Abril era abordado pela rama em dois minutos nas aulas. Sabia apenas que tinha sido uma revolução e que tinha devolvido algum poder ao povo. Demorei a ter acesso aos pormenores e a todas as vertentes dessa viragem na nossa história. Sim, durante algumas décadas, não se falava abertamente em Salazar, nem no 25 de Abril. Os primeiros livros e séries sobre o tema começaram a surgir quando eu já trabalhava há largos anos. E o fascínio por um povo que luta por ideais era tão grande, que escolhi a revolução dos cravos para tese de mestrado e sempre lamentei o facto de não viver em tempos de lutas sociais e de conquistas por direitos civis. Durante duas décadas, a vida em Portugal era tão calma e sem sobressaltos que ansiava pela capacidade que uniu o povo na mudança de regime. O vazio de ambição e conforto de quem não se preocupa com o mundo para lá do próprio umbigo angustiava-me porque, ao contrário do que possa parecer, apesar de não se viver mal nesses tempos, continuavam a existir clivagens sociais e valores distorcidos. Continuava a haver por que lutar. São incontáveis as vezes que lamentei não ter vivido em tempos mais aguerridos, em que o meu comportamento e a minha determinação pessoal pudessem fazer a diferença. Quase sem darmos por isso, tudo mudou. Vivemos tempos absurdos hoje em dia, assistimos diariamente a um novo holocausto e à ascensão de poderes políticos que limitam as liberdades individuais com base no medo e da repressão, compactuamos com medidas de corrupção e de censura e assentimos em silêncio, como já o tinham feito os nossos antepassados. Ao contrário do que idilicamente imaginava, não há heróis. Quando o mundo desmorona à nossa volta, não pegamos em cravos e restituímos o equilíbrio. A mudança está nas nossas mãos, mas apenas se formos muitos a pensar da mesma forma e, enquanto houver possibilidade de uma das partes sair beneficiada, essa união não irá existir. É preciso descer ainda mais baixo para que todos anseiem pelo mesmo. E ainda estamos longe disso, talvez estejamos apenas no início. Vêm aí tempos tenebrosos e não, não somos todos heróis.

18
Jan17

Já não vivemos no tempo dos ardinas!


vanita

Há um problema comum aos dois últimos congressos de jornalistas: a pouca orientação das discussões para encontrar soluções exequíveis e fáceis de por em prática, que garantam uma melhoria quer do jornalismo como actividade quer as condições do jornalista enquanto trabalhador. Em 1998, tinha apenas 19 anos e ainda não era jornalista mas já estava na recta final do curso de Comunicação Social e acompanhei atentamente o decorrer das sessões com a mesma angústia com que o fiz agora. É sabido que estes congressos se regem por determinadas regras e que não é possível abarcar a infinidade de ângulos e questões que se podem levantar quando nos dispomos a analisar um tema. O problema nem é tanto esse, mas mais o facto de este formato acabar por anular a possibilidade de se definirem caminhos e estratégias. Há demasiados convidados, mesas redondas que mais parecem jantares de Natal de famílias alargadas, muita dispersão de dados e números e tanto que não pode deixar de ser dito que acaba por não existir uma linha condutora com vista a um resultado final satisfatório. O jornalismo está a atravessar um período problemático e decisivo. São ridículos os que pensam que a isto não se chama crise mas discuti-lo é desviar o assunto, que foi o que tanto se fez nestes últimos dias. Há uma mudança de paradigma que se quer negar. O jornalismo, tal como o conhecemos, não é viável economicamente por inúmeras razões mas, pasmem, sem lucro, não há empresa que resista, menos ainda com capacidade para sustentar redações e pagar ordenados dignos. Por muito que se preze a distância entre exercício do jornalismo e a actividade económica e comercial que o sustenta, há uma altura em que temos de parar para pensar nisso. E essa altura é agora. Agora que o modelo de negócio em vigor está claramente em falência, agora que a versão em papel dos jornais deixou de responder às necessidades dos leitores, agora que os jornalistas insistem em manter uma estrutura e dinâmica que não se ajusta à procura de informação vigente nos dias de hoje. Por muito que se tente tapar o sol com a peneira, não há como fugir à realidade: os leitores estão na Internet. Obviamente que há muitos e excelentes ninchos de mercado no papel que irão garantir a sua sobrevivência no futuro. A sobrevivência do jornalismo de qualidade, de investigação, feito com tempo e dedicação e muito objectivo, dirigido a grupos muito específicos. Mas isso são ninchos. A conversa global é outra. Há que adaptar as redações e o trabalho do jornalista à procura dos leitores. E a busca dessas soluções deveria ter sido um dos objectivos do congresso da última semana. De que adianta assinalar a precariedade se não se olha para os problemas com atenção? Sim, ganha-se mal e há gravíssimas discrepâncias nas redações. Muitos destes problemas já existiam há quase vinte anos e foram abordados no congresso anterior. Não se conseguem aumentar ordenados e criar melhores condições de trabalho se continuarmos a organizar as redações para o tempo dos ardinas! De que adianta ter jornalistas a fechar páginas para lá da meia-noite, se essas páginas estarão desactualizadas de manhã, quando os jornais forem colocados à venda? A sério, percamos algum tempo a pensar bem nisto. Há uma conferência de imprensa ao fim da tarde: quem é que, devidamente interessado, ainda não sabe o que se lá passou até à manhã do dia seguinte? Nessa altura, interessam-nos reações e contra-reações ao que lá se passou. Um jornal em papel não acompanha esta velocidade dos acontecimentos. É claro que não nos podemos tornar escravos do imediatismo, mas os números das vendas dos jornais estão aí para nos indicar um caminho e mostrar que tratar o online como refugo das redações talvez seja um erro. Digo talvez porque se soubesse a solução milagre para este problema estava rica. Mas era este o tipo de debate que deveria ter existido no congresso de jornalistas. Que soluções podemos encontrar para a falência de um modelo e o advento de uma postura dos leitores que ainda não é economicamente rentável? Qual o melhor caminho para responder ao desafio destes tempos tão cheios de tudo e tão vazios de conteúdos e ideias? Iremos debater novamente a precariedade daqui a 19 anos ou será que o caminho nos leva para soluções que permitem equilibrar as condições de trabalho?

12
Jan17

Doze dias já lá vão e amanhã é sexta-feira 13


vanita

À velocidade de um comboio antigo, sem pressa para chegar, os dias escorrem como areia entre os dedos. Acordamos, dormimos, dormimos e acordamos. Amanhã é sexta-feira 13. E o que fizémos com os primeiros doze dias do ano? Melhor, como escolhemos encarar o que os primeiros doze dias nos trouxeram. Não mudamos a linha nem o caminho que o comboio segue, mas podemos decidir o estado de espírito que levamos. Entre notícias menos boas, um funeral, a certeza de que dificilmente regressarei ao jornalismo, a mesmice de tanta coisa que me irrita mas que não posso mudar, a felicidade de tomar uma decisão a dois, as promessas do ano podem não ser as mais auspiciosas. Mas será mesmo isso que o define? Passaram doze dias e o balão de euforia de ano novo esvaziou-se. Entregamo-nos ao pessimismo do dia de azar e recomeçamos os erros a partir de segunda-feira ou pomos a cabeça de fora, apanhamos ar fresco e apreciamos a viagem? Amanhã é o dia que quisermos que seja. E não, eu não sou o Gustavo Santos. Mas às vezes pareço.

Se calhar escrevo um livro.

Pág. 1/2

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D