Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

caixa dos segredos

01
Mar16

A que preço?


vanita

Num destes dias, estava a almoçar num desses locais ditos muito in nesta cidade alfacinha. Olhei para o lado, e o sorriso de satisfação do miúdo pareceu-me conhecido. Absorvido pelo gelado que tinha na mão, nem reparou em mim. E eu, que esperava pelo tabuleiro que teimava em chegar, distraí-me a observar o ambiente. Logo ao lado, reconheci a irmã. Lembro-me de ter nascido, mas não a conheço, muito menos à sua família que, por acaso, notei, estava toda ali concentrada. Sei os nomes deles, conheço as pequenas particularidades e até consigo - se estiver para isso, que não é o caso - compor toda a agenda pessoal e profissional deste agregado familiar. Pelo menos parte significativa desse dia-a-dia está retratada com imagens e vídeos nas mais diversas redes sociais. Fosse eu stalker ou pessoa mal-intencionada e tinha à minha disposição tudo o que precisava para cometer pequenas loucuras - deixo à vossa imaginação, que não é porta que me apeteça abrir. Mas este acaso fez-me pensar ainda mais no quanto nos andamos a expor sem noção do perigo. É muito giro ter comunidades gigantes de fãs, boosts ao ego todas as manhãs e uma centena de notificações que ajudam a preencher o vazio das nossas vidas. Claro que é, é este o busílis das redes sociais. Mas, como pessoas informadas que somos, o que nos leva a partilhar tantos dados relevantes que podem facilmente atentar contra a nossa segurança? De repente, passámos a deixar a chave do lado de fora da porta sem noção das consequências. Reparem, não apontei o dedo a ninguém em particular. Este é um comportamento comum. Mas quando foi que perdemos a noção de perigo? Até quando?   

01
Mar16

As coisas como são


vanita

Sim, faz-se mau jornalismo hoje em dia. Não há como negar. O copy paste é recurso de redacções esvaziadas de experiência e jornalistas em quantidade para o tratamento que cada assunto exige. Ao mesmo tempo, paga-se a peso de ouro a pretensos intelectuais para ocuparem espaços gigantes de opiniões pouco isentas e nada desinteressadas, enquanto se apregoa que o futuro da comunicação está na profundidade dos temas. É verdade, o caminho passa por um maior cuidado, atenção e dedicação às notícias. Estamos a falhar apenas num pormenor. A comunicação tem de ser feita por profissionais com carteira profissional, gente que respeita as regras básicas do jornalismo. Estamos a cair no erro de confundir espaço em revistas e jornais - cada vez mais se atribuem páginas e colunas com fartura a colaboradores exteriores - com informação pura e dura. Estamos a errar, estamos a errar tanto. E são esses mesmos colaboradores que nos levam a acreditar que esta é a saída. Quanto mais escrevem, mais nos afundamos.  

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D