Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]


28.03.16

Ficções

por vanita

Ela flutua na hesitação excitante de decidir se desfaz o segredo. É esse sentimento que puxa inadvertidamente os músculos dos lábios que trancam o fascínio de não contar. Como uma injecção de adrenalina.

publicado às 19:47

12.03.16

Termos de Pesquisa (visualizações ontem)

por vanita
  1. joana latino e felipa garnel - 1

Isto dos mexericos dá audiências. Há uns tempos fiz um post infeliz que até já pensei em apagar porque, ao contrário do que é habitual, usei nomes e resvalei para um tom de má-língua que não me agrada. Pois, descubro agora que, anos depois, a barraca volta a estar instalada e o meu post aparece nos sites de busca, mesmo à mão de quem procura sangue. Gostasse eu destas coisas e já tinha solução para viver às custas do blog.

publicado às 12:07

01.03.16

A que preço?

por vanita

Num destes dias, estava a almoçar num desses locais ditos muito in nesta cidade alfacinha. Olhei para o lado, e o sorriso de satisfação do miúdo pareceu-me conhecido. Absorvido pelo gelado que tinha na mão, nem reparou em mim. E eu, que esperava pelo tabuleiro que teimava em chegar, distraí-me a observar o ambiente. Logo ao lado, reconheci a irmã. Lembro-me de ter nascido, mas não a conheço, muito menos à sua família que, por acaso, notei, estava toda ali concentrada. Sei os nomes deles, conheço as pequenas particularidades e até consigo - se estiver para isso, que não é o caso - compor toda a agenda pessoal e profissional deste agregado familiar. Pelo menos parte significativa desse dia-a-dia está retratada com imagens e vídeos nas mais diversas redes sociais. Fosse eu stalker ou pessoa mal-intencionada e tinha à minha disposição tudo o que precisava para cometer pequenas loucuras - deixo à vossa imaginação, que não é porta que me apeteça abrir. Mas este acaso fez-me pensar ainda mais no quanto nos andamos a expor sem noção do perigo. É muito giro ter comunidades gigantes de fãs, boosts ao ego todas as manhãs e uma centena de notificações que ajudam a preencher o vazio das nossas vidas. Claro que é, é este o busílis das redes sociais. Mas, como pessoas informadas que somos, o que nos leva a partilhar tantos dados relevantes que podem facilmente atentar contra a nossa segurança? De repente, passámos a deixar a chave do lado de fora da porta sem noção das consequências. Reparem, não apontei o dedo a ninguém em particular. Este é um comportamento comum. Mas quando foi que perdemos a noção de perigo? Até quando?   

publicado às 17:50

01.03.16

As coisas como são

por vanita

Sim, faz-se mau jornalismo hoje em dia. Não há como negar. O copy paste é recurso de redacções esvaziadas de experiência e jornalistas em quantidade para o tratamento que cada assunto exige. Ao mesmo tempo, paga-se a peso de ouro a pretensos intelectuais para ocuparem espaços gigantes de opiniões pouco isentas e nada desinteressadas, enquanto se apregoa que o futuro da comunicação está na profundidade dos temas. É verdade, o caminho passa por um maior cuidado, atenção e dedicação às notícias. Estamos a falhar apenas num pormenor. A comunicação tem de ser feita por profissionais com carteira profissional, gente que respeita as regras básicas do jornalismo. Estamos a cair no erro de confundir espaço em revistas e jornais - cada vez mais se atribuem páginas e colunas com fartura a colaboradores exteriores - com informação pura e dura. Estamos a errar, estamos a errar tanto. E são esses mesmos colaboradores que nos levam a acreditar que esta é a saída. Quanto mais escrevem, mais nos afundamos.  

publicado às 13:34

Mais sobre mim

imagem de perfil

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.