Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

caixa dos segredos

26
Mar14

Saldos todo o ano. Acalmem lá as passarinhas!


vanita

O Governo anunciou a vontade de alargar os períodos de saldos a todo o ano, passando os mesmos a ser autorizados sempre que apetece aos comerciantes.

 

(...)

 

Já acalmaram?

 

(...)

 

Ok, já posso voltar a falar? Ao contrário do que possa parecer à primeira vista, esta não é uma medida tão espetacular assim, lamento desiludir-vos. Na verdade, existem razões económicas e, até sociais, bastante sérias e justificáveis para que o período de saldos esteja limitado em tempos específicos e pré-definios. Além de ser uma medida reguladora do mercado económico, trata-se de um dispositivo fundamental para o combate à concorrência desleal. Hein? Pois, é mesmo isso.

 

Vamos lá por partes:

 

  • Afinal o que são os saldos? Os saldos são a venda de produtos abaixo do preço de custo, com prejuízo para o comerciante. É o único período legal em que esta medida pode ser adoptada. 
  • Ou seja, ao assumir a venda de produtos a preço de saldo, o comerciante está a perder dinheiro. Até aqui, concordamos todos, correcto?
  • Pois, não é bem assim. Para as grandes superfícieis e os grandes comerciantes, este prejuízo pode ser assumido dada a larga quantidade de investimento que fazem noutros produtos. O negócio não fica em risco com a venda de três ou quatro produtos abaixo de custo, já que o consumo feito nunca se resume exclusivamente a estes produtos.
  • O mesmo não se pode dizer em relação aos pequenos comerciantes. Se venderem produtos com prejuízo... preciso de continuar a explicar?
  • É exactamente para regulamentar o mercado e conseguir algum equilibrio, evitando concorrência desleal, que os períodos de saldos estão estipulados por lei. Caso contrário, assiste-se ao estrangulamento do pequeno comércio.

A coisa não morre por aqui. Ok, acabamos com o pequeno comércio e ficamos apenas (ainda mais dependentes) dos grandes grupos económicos e dos cartões de desconto e todas essas tretas que as sonaes desta vida inventam. Mas vamos lá pensar mais um bocadinho. Se vendermos o produto final com prejuízo, não estamos a pagar o trabalho e a matéria-prima que lhe dão origem. Trabalhadores e fornecedores deixam de ter meios para subsistir e continuar a manter a economia estável, porque os serviços não são pagos. Sem dinheiro não há investimento e yada, yada, yada. 

 

E nem sequer me apetece falar sobre essa outra proposta de deixar de regular os horários de funcionamento. Porque isto de trabalho escravo mexe-me com as entranhas.

 

Vou deprimir. Bom almoço para vocês.

 

 

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D