Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]


19.12.13

Não queiram ser como o Maradona, sejam vocês próprios!

por vanita

Esta crónica de Pedro Bidarra é brilhante. Tenho pensado nela praticamente todos os dias desde que a li pela primeira vez. Diz o ex-publicitário que Cristiano Ronaldo irrita muita gente mas isso, em si, é apenas uma demonstração do seu valor enquanto pessoa que se destaca dos demais. E porquê? Porque ao contrário de Messi que se colou à imagem de Maradona e tenta repetir a sua fórmula de êxito - foi o exemplo escolhido, mas encontro tantos outros na vida do dia-a-dia -, o nosso CR tem um estilo próprio sem precedentes. Não é igual a ninguém, o que é suficiente para irritar muita gente.

 

"A grande diferença entre o Ronaldo e o imitador do Maradona é que não haverá nunca jogadores a imitar o Messi porque na verdade estão a imitar o Maradona. Mas há-de haver muito jogador de futebol a imitar o Ronaldo", explica Pedro Bidarra, para que se entenda bem a dimensão do que está a dizer. E é nisto que penso todos os dias. Porquê imitar fórmulas de outros para tentar singrar onde quer que seja. Penso nisto e penso na Cristina Ferreira, que claramente se colou a uma fórmula que resultou com Júlia Pinheiro. Ou em inúmeras boys e girls band que todos os dias se copiam, sem que nunca se esqueça a fonte de inspiração original. A lição é simples mas esmagadora. É na essência que nos destacamos. É na originalidade e na nossa forma de ser e pensar única que surpreendemos. Essa é a mais valia de cada um de nós. É por aí o caminho, meus amigos. Para qualquer lado.   

publicado às 10:33

19.12.13

Sou uma pecadora

por vanita

Querida gastrite,

 

Hoje portei-me mal, perdoa-me. Tenho tido cuidado. Não bebo álcool, mal toco no café e a minha alimentação resume-se a carne grelhada com arrozinho e sopa. Até o hamburguer que hoje me calhou em almoço era do mais insípido que pode haver: grelhado com arroz branco. Só. Mas não resisti. A culpa é daquela loja do Demo que vende chocolates com manteiga de amendoim. A intenção era a melhor. Andava à procura das melhores prendas para os meus mais queridos e caí na tentação. Fui lá, comprei os chocolates. Ainda me portei bem, distribui quase todos nas ofertas de Natal e, uma vez fechados dentro do embrulho, deixam de constituir perigo. O problema é que, acção-reacção, mal saí da loja, pus um à boca. Essa embalagem durou até agora, mas já cá não está para contar a história. Desculpa.

 

Não sejas muito má para mim.

publicado às 00:47

Mais sobre mim

imagem de perfil

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.