Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]


30.05.13

A vaidade

por vanita
Assim mesmo, em caixa baixa. A insuportável vaidade. O cabelo, as bocas fechadas e tensas de prisão de ventre, a postura ensaiada, sem margem para a espontaneidade. O cabelo, os sapatos, as unhas, os casacos. Não há cu para a vaidade vazia. Para a ausência de personalidade fechada em amargas posturas semi-intelectuais. São balões de ar que não explodem e enchem mais espaço do que deviam. Espampanantes, exuberantes e sem sentido. O detestável elefante na sala de porcelana, que dá voz à metáfora mais gasta de quem não encontra - será que consegue? - palavras para se explicar. Porque a vaidade, a irritante vaidade, ocupa demasiado espaço. À distância de um alfinete.
publicado às 19:23

Mais sobre mim

imagem de perfil

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.