Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]


29.01.13

O fenómeno Sara Moniz

por vanita
Dou por mim a pensar na opção desta menina, agora uma mulher, mãe de duas crianças lindas, que, sendo filha de pai cantor, com fama e conhecimentos no mundo do showbizz, gerada em família de talento e já com alguns passos na vida do social português, optou por se refugiar numa vida sem holofotes, como cabeleireira, longe do burburinho que faz girar a imprensa e televisão nacional. Não será ela a mais inteligente?
publicado às 14:25

28.01.13

E-readers

por vanita
Olá minha gente!

Estou com vontade de comprar um e-reader, mais precisamente um Kobo. E porquê um Kobo quando posso ter um Kindle ou, melhor, um iPad, perguntam vocês? Porque além de mais barato, serve o meu propósito sem dispersar atenções. E que propósito é esse? Ler livros em português nos transportes públicos. Como não percebo nada disto, nem nunca pensei a sério no assunto e sei que são pessoas informadas, vim pedir os vossos conselhos. Vale a pena, não vale? Qual é a melhor aposta e porquê? Enfim, aqueles pequenos pormenores que só os utilizadores que gostam de ler e não procuram outras funcionalidades sabem responder.

Conta com a vossa ajuda :)
publicado às 14:50

25.01.13

Olhá escandaleira!

por vanita
Então não é que a filha da Adelaide Ferreira - eu lembro-me da miúda com 11 anos, caramba! - foi apanhada pela Polícia brasileira depois de ter feito um aborto e agora está aos cuidados de uma instituição de menores e não a deixam voltar para os braços da mãe. Não que ela quisesse ir, digo eu. Ai, é nestas alturas que sinto falta de um jornal. 24horas, onde andas tu quando és preciso?
publicado às 14:23

24.01.13

"Morte Súbita", de J. K. Rowling

por vanita
O horror, o drama e a tragédia. Ou será, o preconceito, a crítica fácil e a ignorância. Andar com um livro da J. K. Rowling debaixo do braço é, para muitos, sinónimo de gente que não ultrapassou a adolescência e sem grande gosto literário. Gente pouco culta e que pouco ou nada percebe dessa arte que é ler um bom livro. Infelizmente, preconceitos como este nascem da ignorância de quem critica sem conhecimento de causa. Sempre o defendi e volto a fazê-lo, não é à toa que existem best sellers. Há muito quem opte por livros mais fáceis de ler e os escolha como refúgios para fugir ao dia-a-dia, formas de entretenimento, que não obriguem a pensar demasiado. Nada a assinalar. Ler é um prazer e cada um sabe das suas motivações. Mas quando uma escritora alcança o sucesso que J. K. Rowling conquistou não com um mas com sete títulos, talvez seja altura de descerem do pedestal e dar algum crédito às crianças e aos miúdos. Não se pode ignorar quando quando milhares de pessoas distinguem um escritor. Há algo que eles sabem que, quem nunca leu, ignora. E a confirmação de que tanta gente não pode estar errada é este livro que pisca o olho a um público mais adulto. Com a mestria que lhe é característica, J. K. Rowling leva-nos aos meandros das personalidades de uma pequena vila inglesa nos arredores de Londres, conseguindo voltar a fazer-nos acreditar em magia. Neste caso, na magia de quem nos transporta para outros mundos, para outras cabeças e formas de estar, como quem toma todos os dias o pequeno-almoço de manhã. Há realidades assim, tão banais que só uma grande escritora como a criadora de Harry Potter nos consegue transmitir a sua complexidade. Parece confuso? Não é.

Crítica publicada no Goodreads
publicado às 13:12

Pág. 1/3

Mais sobre mim

imagem de perfil

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.