Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]


28.10.11

Revoltas

por vanita
E se, depois de um workshop de primeiros socorros, lhe disserem que está qualificado para ser enfermeiro? Há quem tenha lutado por uma profissão, trabalhado de graça durante meses para aprender um ofício e subido a pulso numa carreira que requer carteira profissional. E há quem almeje um título e veja o sonho concretizar-se, sem qualquer mérito. É este o País que temos.
publicado às 18:35

26.10.11

A Guerra dos Tronos

por vanita
Como é que se classifica um livro que não acaba? Esta é a primeira metade do primeiro volume escrito por George R. R. Martin. Em Portugal, a editora Saída de Emergência achou que o autor não soube dividir a história e partiu-a em dois volumes. Lamentável, como já tinha dito aqui. À parte disso, embora perceba as comparações a "Senhor dos Anéis", a mim remete-me para o universo de "As Brumas de Avalon", de Marion Zimmer Bradley, numa perspectiva altamente masculinizada. Trata-se de um livro cinematográfico, construído como uma série de televisão, em que cada capítulo corresponde visualmente a um episódio pronto a ser captado por câmaras de filmar. Todas as técnicas de cinema são aplicadas a uma história que nos agarra pelos pormenores e descrições da personalidade de cada uma das personagens, com reviravoltas que nos deixam em suspense até ao novo capítulo. Sim, quero ler o próximo. Aliás, já comecei.
publicado às 16:58

24.10.11

São estas coisas que me lixam...

por vanita
Ando aqui eu, e muitos de vocês, a fazer sacrifícios para comprar um carro e há por aí palhaços que os recebem de mão beijada. Só por isso mesmo, por serem palhaços. Que vergonha, para quem os oferece e para quem os recebe.
publicado às 14:45

14.10.11

Última noite

por vanita


Sabia que este dia ia chegar. Preparei-o e ensaiei todos os passos uma e outra vez. Despedi-me tantas vezes que é como se já não precisasse de o voltar a fazer, agora que se concretiza. À memória vem-me o dia em que subi as escadas, às seis e meia da manhã, descalça, com as sandálias nas mãos. A noite em que chorei durante horas, às escuras, sentada no chão. O dia em que fiz 30 anos, o que fiz 25 e aquele em que acordei com a música que iluminou o meu 29.º aniversário. O "Dream On Girl" da Rita Red Shoes a ecoar pela janela do quarto aberta, enquanto os raios de sol entravam sem pedir licença. Os encontros furtivos com-não-vou-dizer-quem à porta do prédio, com tantos e tantos beijinhos trocados no escurinho do parque onde nunca - mas mesmo nunca! - foi fácil encontrar lugar para deixar o carro. O dia em que cheguei a casa com o MEU primeiro carro. A manhã em que regressei do Rio de Janeiro, com a chuva fria de Fevereiro a fazer-me sorrir enquanto me enroscava na cama de uma cidade deprimida com o Inverno. O dia em que te levei lá a casa, me abraçaste e citaste Depeche Mode, para dizeres que tudo o que sempre quiseste estava nos teus braços. As más notícias que chegaram ao telemóvel. Terríveis. O dia em que sai de casa de manhã, sozinha, para ser operada ao apêndice e toda a aventura que se lhe seguiu. As conversas intermináveis com a almofada. A crença, a angústia, a alegria e o amor. Foram quase nove anos. Nove anos de independência, vazio, amizade, cor, dor e muita, muita vida. Nove anos que já passaram.
publicado às 22:40

13.10.11

Mudei

por vanita
Se dantes não deixava livros a meio por uma questão de honra, agora dou por mim a fazê-lo sem dó nem piedade. Escasseia-me o tempo para fretes, a bem dizer. Tudo começou há uns meses com "Viagens Contadas", da jornalista Maria João Ruela. Estava a lê-lo por motivos profissionais e, ao mesmo tempo, a obrigar-me a não reparar na óbvia dificuldade que uma pivot tem em usar as palavras num registo literário. Não que escreva mal, que não é o caso, trata-se antes da constatação natural de que, quem nunca escreveu para ser lido, dificilmente o fará bem à primeira tentativa. Enfim, como se tratava de uma questão de trabalho, bastou-me por o livro de lado, sem me martirizar por aí além. Embora o bichinho da vergonha da desistência tivesse ficado a moer-me o juízo, admito. Adiante, que a história tem mais que se lhe diga. Curiosamente, também com uma jornalista portuguesa. Desta vez foi a Alexandra Lucas Coelho que me obrigou a largar o tão aclamado "Caderno Afegão" em parte incerta. Minto, sei perfeitamente onde está - na minha mesa de cabeceira - mas faço por ignorá-lo. Os fãs que me perdoem e a Alexandra Lucas Coelho também mas, para mim, aquilo não é escrever. Corrijo, para mim, aquilo não é contar uma história. Não que o tema não seja interessante, que é, ou que não tivesse curiosidade em saber até onde aquelas reportagens - era isso que estavas lá a fazer, não era? - iriam levar, mas cansei-me. O registo telegráfico não me convence mas, lá está, percebo quem goste. Não me incluo no grupo e, por isso, fechei o "Caderno" a meio. Um que ficou pelas primeiras dez páginas, e o último destes meses, é ainda mais surpreendente. Desta vez foi a "Bica Escaldada", de Alice Vieira, que me caiu mal. Nada contra a escritora, que escreve como ninguém, embora eu ainda tenha muito que explorar da sua obra. O amargo de boca veio-me do facto de este livro ser uma compilação de crónicas da vida quotidiana, que foram publicadas em dois jornais e duas revistas da nossa imprensa. Descobri que não consigo compactuar com esta coisa de se pagar a peso de ouro a alguns jornalistas para escreverem mil caracteres de banalidades. Sei que, neste saco, estou a meter um ou outro merecedores desta distinção e, provavelmente, Alice Vieira será uma dessas honrosas excepções mas, que querem? Não consigo alinhar nisto. Curiosamente, descubro que existe um padrão nos três livros que não cheguei a terminar.
publicado às 22:52

Pág. 1/3

Mais sobre mim

imagem de perfil

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.