Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]


31.05.11

Katherine Pancol

por vanita















Sentada ao computador, com os apontamentos espalhados pela secretária, ela deixa o pensamento seguir o seu rumo enquanto ouve as conversas ali mesmo ao lado. À sua frente, uma colega fala ao telefone, com ar absorto e voz mecânica. Outra acaba de se levantar para ir buscar uma folha à impressora e, enquanto isso, a secretária enche a redacção com a sua voz inconfundível, que não esconde a formação revisteira. É impossível não distinguir a sonoridade típica de quem gosta de estar nos palcos. Ela, goza o ar fresco que lhe bate nos ombros, descobertos por uma camisola de Verão. O tom bronzeado da pele dilui-se nos apontamentos dourados que o sol deixou no cabelo. Olha-se para ela e ainda se sente o cheiro da maresia das férias que ainda agora acabaram...

Esta sou eu a escrever um post, enquanto tento imitar o estilo de Katherine Pancol. É a melhor forma que encontro de explicar porque é que em 600 páginas mais não encontramos que o lento decorrer do dia-a-dia das personagens dos seus romances. Um desenrolar do quotiadiano que nos agarra pela riqueza das descrições, que a autora não se cansa de ir referindo ao longo do livro, como características da sua personagem principal, Joséphine. Depois de "Os Olhos Amarelos dos Crocodilos" e de "A Valsa Lenta das Tartarugas", estou ansiosa pelo terceiro. Diz que tem a ver com esquilos.
publicado às 18:07

Pág. 1/4

Mais sobre mim

imagem de perfil

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.