Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]


31.01.11

Não me canso

por vanita
Há anos que sei as falas de cor. Nem por isso deixo de me emocionar. Conseguem perceber de que filme falo?
  • "Man, what are you doing with a gun in space?"
  • "Have you ever heard of Evel Knievel?  I never saw Star Wars"
  • "Houston, you have a problem. You see, I promised my little girl that I'd be comin' home. Now I don't know what you people are doing down there, but we've got a hole to dig up here!"
  • "Miss Stamper? Colonel Willie Sharp, United States Airforce, ma'am. Requesting permission to shake the hand of the daughter of the bravest man I've ever met"
  • "God, I hate knowing everything"
  • "You have not told them yet. That is my father up there!"
  • "AJ, I got just five words for you: Damn glad to see you boy! That's six words"
Há mais, muitas mais....
publicado às 23:28

27.01.11

Genial

por vanita
Ou muito me engano, ou Saramago usa a viagem do elefante para revisitar obras suas. E eu cheguei agora ao ensaio sobre a cegueira e reencontrei o cão das lágrimas. Pela mão de um escritor que não tem pudor de rir de si mesmo. Ainda faltam muito anos até que se consiga entender Saramago na sua amplitude. Único.
publicado às 01:31

23.01.11

Andava eu na escola primária...

por vanita
Quando Cavaco Silva foi eleito como Primeiro-Ministro. Também nessa altura, usava o chavão da aposta na juventude, na geração a quem queria entregar o futuro do país. Mais de 20 anos depois, reeleito como Presidente da República, continua com o mesmo discurso. Só que, pelo meio, há uma geração que cresceu e se tornou adulta, essa mesma, em quem o então Primeiro-Ministro queria apostar. Uma geração que anda à deriva, entre recibos verdes, a casa dos pais e os centros de emprego. Uma geração hipotecada, sem rumo certo e pouca esperança no futuro imediato. Se serviu de lição? A resposta está aí, algures entre os números da abstenção e a reeleição do principal responsável pelo estado a que o país chegou.
publicado às 22:47

19.01.11

Não mudo uma vírgula

por vanita
Encontrei este texto num comentário a uma notícia do i. É assinado por Cláudio Peres. Está aqui tudo.

Não sou o autor, mas acho importante para refletir: Toda a gente tem sonhos. E segredos. E pecados. Quem não sonha está morto; quem não se resguarda é tonto; quem não peca é santo. Sonhos, segredos e pecados não são crime. O problema está na fronteira que determina as respectivas definições. E, mais importante, na maturidade e no bom-senso necessários para suportar cada um deles. Como em tudo na vida, de vez em quando é preciso colocar o pé no travão.Renato Seabra, 21 anos, finalista de Ciências do Desporto, em Coimbra, tinha um sonho: ser manequim, provavelmente internacional. Ambição legítima. Candidatou-se a um concurso televisivo, que a televisão parece ser o único veículo reconhecido como eficaz pela geração à qual pertence. Ficou em segundo lugar. A família há-de ter ficado feliz. Os amigos também. Ninguém questionou. Ninguém accionou o travão. Neste tempo, nada parece satisfazer mais as pessoas do que exibir o seu talento, seja ele qual for, na televisão - e a televisão dá para tudo: para cantar, dançar, representar, cozinhar, emagrecer ou só para simular o quotidiano dentro de uma jaula. Vale tudo. Daqui a cem ou duzentos anos, há-de falar-se deste tempo como um tempo muito sinistro.Mas nem a televisão, com toda a sua pressa, parece ter conseguido responder à urgência do sonho de Renato. E, por isso, talvez ele tivesse também um segredo. Que mal teria aproximar-se de Carlos Castro, 65 anos, velho colunista do suposto glamour nacional a quem os transeuntes desse suposto glamour agradeciam a rampa de lançamento, se com isso conseguisse acelerar a projecção da sua carreira? Aparentemente, não teria mal nenhum. Se tivesse tido travão. Maturidade e bom senso. E verdade, já agora, que é coisa que também começa a escassear. Ou alguém por ele. Se tivesse havido uma mãe ou um pai que tivesse pensado duas vezes antes de autorizar o filho a viajar (para Madrid, Londres e Nova Iorque) com aquele homem, por muito conhecido que fosse. Com aquele ou com qualquer outro. Mas os holofotes cegam quem nos holofotes quer ser feliz.E foi seguramente um Renato cego, independentemente de ser homo ou heterossexual, que matou outro homem, também ele cego, Carlos Castro. O primeiro, cego pela ambição; o segundo, cego pela devoção de um rapaz mais novo. Num crime que se presta a tanto folclore - as piadas ainda não começaram, mas não hão-de tardar -, o que mais me choca não é a morte, por monstruosa que tenha sido. O que verdadeiramente me choca é disponibilidade mental que as pessoas cada vez mais parecem ter para permutar a honra pela desonra. Mesmo que para sempre consigam manter a desonra em segredo. E, neste caso, não sei quem a permutou primeiro: se o homem que não teve coragem para se afastar de um miúdo sequioso de fama, preferindo acreditar que este o amava; se o miúdo, perigosíssima e preocupante amostra de uma geração, que é capaz de se violentar ao ponto de fingir amar alguém só para daí retirar benefício. Choca-me ainda mais a quantidade de histórias destas que hão-de pulular por aí sem que delas tenhamos conhecimento só porque não tiveram um desfecho trágico. E choca-me, finalmente, que a comunicação social, tão empenhada que está em abordar o assunto com pinças e pruridos, esteja a passar ao lado do assunto que mais interessa: quem é responsável pela desintegração dos valores desta gente, que é muita, para quem a vida só é vida se for mediática? E quem os protege?Do sonho e do segredo de Renato, restou-lhe apenas o pecado. Capital. Poderia ser mais triste?
publicado às 17:29

16.01.11

A queda de um ídolo

por vanita
Talvez o título seja exagerado, que é, mas foi o sentimento dominante para quem vibrou de antecipação pela publicação de "O Jogo do Anjo", o sucessor de "A Sombra do Vento", o primeiro livro de Carlos Ruiz Zafón que li e um dos meus favoritos de sempre. Se com o segundo volume da série de quatro que seguem a história iniciada com "A Sombra do Vento" já tinha ficado desiludida com a sensação de estar a ler o mesmo romance, este "Marina" - que foi escrito antes - deixa-me a certeza de que realmente nada muda. Tal como Dan Brown, que usa a mesma fórmula em todos os livros que escreve, também este escritor catalão segue uma linha estrutural semelhante nos vários livros. O romance centrado numa criança/adolescente, que se apaixona por uma jovem de beleza impar - normalmente vestida de branco e muito solitária -, através de quem é guiado na investigação de um crime macabro ocorrido muitos anos antes, que o faz deambular por casarões e ruelas numa Barcelona escondida, imunda. Há sempre um fogo, paixões arrebatadoras e segredos revelados. A magia do "Cemitério dos Livros" não existe neste livro que, tenho a certeza, me encheria as medidas se fosse o primeiro. Não é e, temo, talvez me tenha tirado a coragem de ler os dois restantes dessa colecção de quatro. Ainda assim, é um bom livro.
publicado às 15:37

Pág. 1/3

Mais sobre mim

imagem de perfil

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.