Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]


29.12.07

Hold Still

por vanita

Oh, hold still for a moment and I'll find you
You're so close, I can feel you all around me
And I could hold you if you just stood still
Oh, I'll hold still for a moment so you'll find me
I'm so close, I'm just a small step behind you
I know you're somewhere out there

publicado às 21:30

29.12.07

O que levo na mala...

por vanita
Tentei resistir a estes balanços mas é mais forte do que eu. As passagens-de-ano mexem comigo e, unfortunately, nem sempre é um sentimento bom. Detesto a pressão associada a esta altura do ano, mas acho que a detesto mais porque, mesmo que queira resistir, dou por mim a ponderar prós e contras dos últimos 365 dias. Portanto, o melhor é expiar isto tudo de uma vez e entregar-me aos copos, os melhores amigos do Homem, descobri recentemente! 2007 foi um ano bom? Sem dúvida! Aconteceu e foi tão positivo que não o consigo por em palavras, nem quero. Não é para fazer segredo, é que simplesmente nunca mais me calaria. Algumas das razões estão no blog, a maior parte delas não! Desiludidos? Pois, mas sempre disse que a minha vida não é o blog. Felizmente, quem está comigo todos os dias sabe que sou e estou feliz. E isso basta! Obviamente não é esta a parte que me deixa angustiada - estranha talvez seja a palavra mais correcta. São os fracassos, as desilusões e as certezas do que não quero levar para o novo ano que fazem faísca nos fusíveis. Porque é sempre difícil deixar algo para trás, porque a razão nem sempre está de acordo com a vontade e porque... já deu para perceber, sou uma miúda complicada! :) E o que não vou mesmo levar para 2008? Nada nem ninguém que me faça sentir menos do que eu mereço. Menos amada, menos querida, menos desejada, menos acarinhada, menos respeitada! Pode parecer egocêntrico, pode parecer rídiculo - i really don't care - em 2008 só abro a porta a quem merece. Todos cometemos erros, todos merecemos ser desculpados e sou a primeira a fazê-lo mas não há pachorra nem paciência para quem nos usa a seu bel-prazer. No ano dos 30, eu sou mais eu! E não vou abdicar do que tenho direito. Não se assustem: também me vou esforçar por dar sempre o melhor de mim. É uma luta dífícil, a única possível. Um bom ano também para vocês! Siga para a festa!!!

PS - desculpa sonitcha, acabei por voltar ao registo sério. Acho que está entranhado... ou não ;)
publicado às 04:06

29.12.07

A fechar em grande!!!

por vanita
Sónia Maria, este é só para ti!! Porque tens razão, porque não quero ser cinzenta e porque não conheço nada que traga mais felicidade instantânea do que isto!! Estou a brincar, claro! Mesmo assim, acho que os chocolatinhos é que a sabem toda. Embora os meus textos aqui no blog possam parecer nostálgicos, no dia-a-dia não sou sempre assim. 2007 foi um grande ano, que foi, 2008 vai ser melhor! Fechámos em grande com um jantarinho em cima do joelho, esperam-nos as inúmeras despedidas de solteira da nossa Mikas, o Rock in Rio, o Euro, os muitos concertos, as férias, a invasão a Oliveira do Hospital munidas de secadores e babyliss - ou lá como isso se escreve que eu não uso essas coisas :p - e a promessa de grandes aventuras. Fica alguma coisa para trás? Claro que sim! Na bagagem para 2008 só levo coisas boas. Vocês, não se preocupem, subornei os gajos da alfândega e eles prometem fechar os olhos. Diz que também podem ir comigo. A tia também, susurram-me aqui ao ouvido. O comboio parte dentro de momentos :)
publicado às 03:32

21.12.07

Abafadinho!

por vanita
Gosto pouco de escrever sobre assuntos pessoais aqui no blog mas hoje tem de ser. A minha chefa - sim, fui eu que comecei a chamá-la assim há uns anos - hoje ofereceu-nos, a cada uma, uma garrafa de Abafadinho do Cartaxo. A maravilha licorosa que há tantos anos a ouvimos elogiar. E porque é que este presente tem tanta importância para mim que me leva a falar nele no blog? Ainda sob o efeito do líquido - bom, mas bom, digo-vos - posso dizer que é porque simplesmente eu adoro a minha chefa. Qual é o problema? O problema é que uma discussão estúpida de trabalho nos afastou há uns tempos. Éramos muitos cúmplices, pelo menos sempre foi assim que vi a nossa relação, e a partir desse momento tudo mudou. Talvez porque quando gostamos muito de alguém as desilusões custam mais, tomam dimensões maiores. A questão é que a desilusão se deveu a stress profissional e, com o tempo, percebemos que desilusões profissionais são o pão nosso de cada dia. Há valores mais importantes! E esses valores são as raras pessoas boas com quem nos vamos cruzando. A minha chefa é uma dessas pessoas. E tudo o que eu quero é que as coisas voltem a ser como antes, senão melhores porque entretanto crescemos e aprendemos que a vida não a preto e branco é, sim, cinzenta. Há, no entanto, pessoas que queremos destacar com outra cor, que dão outro colorido à nossa vida. A minha chefa é uma delas, e isto não é graxa. Ela sabe disso e eu acredito que, daqui para a frente, tudo será melhor. Ambas crescemos!
publicado às 02:26

Pág. 1/3

Mais sobre mim

imagem de perfil

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.